Mastodontes na sala de espera – Bruno Brum

Terceiro livro do mineiro Bruno Brum (1981), Mastodontes na sala de espera (2011) marca o autor como uma das grandes vozes da geração de poetas que começou a publicar nos anos 2000. Geração em que, cada vez mais, parece não sentir a necessidade de exibir erudição ou malabarismos linguísticos sem objetivos claros, e que também costuma deixar de lado partes da técnica poética – métrica, ritmo e rima, em especial –, priorizando a imagem, a sonoridade e a mensagem do poema.
De poesia bem-humorada, irônica e simples (e não é simples fazer isso), Bruno Brum contribui para aproximar a poesia do leitor brasileiro. Em parte por trazer correntemente para os limites da poesia discursos que não lhe eram tão comuns, como o jurídico e o científico (como em “Discurso por ocasião de um congresso internacional de pessoas jurídicas”, a banalidade e cotidiano (como em “Paisagem com dublê”).
Embora sem apresentar tantas camadas de leitura como poemas isolados (ou eu, como leitor, não tive a competência de decifrá-lo tanto), os poemas mostram incrível unidade e certo nível de questionamento por detrás de sua quase literalidade – além de nos deixar a questão (ou ampliar a visão) de até onde vai a poesia. “Noventa e nove blefes”, por exemplo, é um conjunto de frases/versos que funcionam independentemente:
NOVENTA E NOVE BLEFES
[…]
Tudo conta ponto contra.
*
Cuspo duas vezes no chão e já não estou só.
[…]
*
Comete-te a ti mesmo.
[…]
*
O vizinho mala do 202 insiste em ouvir Djavan no domingo às nove da noite. O vizinho mala do 202 sou eu.
[…]
*
Me viu e foi logo dizendo: Sou uma carta não lida, um bilhete perdido na chuva. Tentei encontrar algo que eu também pudesse ser. Um símbolo, uma imagem. Nada.
*
E eu, eu sou o demônio. Qualquer dúvida me liga.
O que nos leva a perguntar se seu conjunto forma um poema sobre o denso plano temático que o suporta e de onde emergem ótimas passagens e, principalmente a questão da não-identidade e não-territorialidade.
Sem serem sutis nem vagos – afinal são Mastodontes –, os poemas nos perguntam qual o seu lugar – a sala de espera (a espera de quem?) – e nos fazem refletir qual é o nosso. O poeta observa, com uma sincera ou forjada (se perguntar qual a opção é uma das recompensas da leitura) objetividade e neutralidade e dá sua solução: quase todos os poemas acabam com seu ponto final, o fim da definição, repetida com frequência para que não haja muita dúvida: estamos permanentemente deslocados, nada nos diferencia (de tão automatizados?) e não há nada para nós:
UM DELES (poema que abre o livro)
Os que acreditam fazem perguntas aos que parecem acreditar.
Os que parecem, parecem não ouvir.
Os que ouvem permanecem calados.
Os que respondem parecem não acreditar no que dizem
os que perguntam.
Todo se parecem em silêncio.
MUITOS (poema que fecha o livro)
Muitos falando ao mesmo tempo.
Muitos tentando dizer alguma coisa ao mesmo tempo.
Muitos, ao que parece.
Muitos ao mesmo tempo.
PERGUNTAS EM TORNO DE UMA FESTA (meu favorito e único sem o final ponto final, mas que se diferencia e sintetiza a todos):
Imagine-se em uma festa, dançando.
A música é do tipo A, e você dança de um jeito do tipo B.
Você estará no ritmo?
Você estará na realidade da festa?
Os outros irão querer dançar com você?
Você acha que será respeitado?
Não seria melhor ir para outra festa?
Ou você preferiria um lugar com cinco tipos de música tocando ao mesmo tempo?
Ou ainda um lugar onde não haja música, dança ou pessoa?
Que tipo de festa você costuma frequentar?
Com que tipo de gente você costuma se envolver?
Você responderia a essas perguntas com convicção?
Tem uma opinião formada sobre o assunto?
Pagaria para ver até aonde vai a curiosidade alheia?
Precisa de um tempo para pensar?
Há muitos outros poemas que mereciam ser trazidos para esse espaço, mas no final eu me daria conta que digitei quase o livro todo, então não retirarei o prazer do leitor de folhear, manusear e anotar (n)o livro que, aliás, também contém intervenções visuais. Assim, Mastodontes na sala de espera nos traz a visão de um poeta cinegrafista (“O cameraman só pensa em voltar para casa”), que mesmo quando fala em primeira pessoa trata de cenas muito mais do que sentimentos (quase sempre representados mecanicamente) e costura, muito bem, sua obra (poesia?) em torno do não-pertencimento e da não-identificação.
RITMOS VARIADOS
Todos os boleros do mundo
soando juntos deveriam fazer
algum sentido,

mas não fazem.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s