Poemas – Vladimir Maiakóvski

Maiakóvski é meu poeta preferido. Digo isso com certa culpa literária/patriótica/linguística, mas a culpa não é suficiente para tirar-lhe de seu lugar para mim. Um dia aprenderei russo e será, primeiro, para ler Maiakóvski no original. Um de seus poemas mais famosos é uma resposta ao bilhete de suicídio (belíssimo),  do também poeta russo (e desafeto) Serguei Iessiênin, que se matou enforcado e de pulsos cortados em seu quarto no hotel Inglaterra.
A Serguei Iessiênin – Vladimir Maiakovski (poema completo)
Você partiu,
como se diz,
para o outro mundo.    
Vácuo…
Você sobe,
entremeado às estrelas.
Nem álcool,
nem dinheiro.
Sóbrio.
Vôo sem fundo.
Não Iesiênin,
não posso
fazer troça,
Na boca
uma lasca amarga
– não a mofa.
Olho –
            sangue nas mãos frouxas,
você sacode
                o invólucro
                        dos ossos
Pare,
       basta!
            Você perdeu o senso?
Deixar
            que a cal
                        mortal
                                   lhe cubra o rosto?
Você, com todo esse talento
para o impossível;
hábil
como poucos.
Por quê?
Para quê?
Perplexidade.
– É o vinho!
– a crítica esbraveja.
Tese:
refratário à sociedade.
Corolário:
muito vinho e cerveja.
Sim,
se você trocasse
a boêmia
 pela classe.
A classe agiria em você.
e  lhe daria um norte. 
E a classe,
por acaso,
mata a sede com xarope?
[…]
Remédio?
            Para mim,
                        despautério:
mais cedo ainda
                        você estaria nessa corda.
Melhor
morrer de vodka
que de tédio!
[…]
Talvez,
se houvesse tinta
no “Inglaterra”
você
não cortaria
os pulsos.
Os plagiários felizes
pedem: bis!
Já todo
um pelotão
 em auto-execução.
Para que
aumentar
o rol dos suicidas?
Antes
aumentar
a produção de tinta!
[…]
Por enquanto
há escória
de sobra.
O tempo é escasso –
mãos à obra!
Primeiro
é preciso
transformar a vida,
para cantá-la –
em seguida.
Os tempos estão duros
para o artista?
Mas,
 dizei-me,
 anêmicos e anões,
os grandes,
 onde,
em que ocasião,
escolheram
uma estrada
batida?
[…]
Para o júbilo
o planeta
está imaturo,
É preciso
arrancar alegria
ao futuro.
Nesta vida,
morrer não é difícil,
O difícil
é a vida e seu ofício.
           
O descobri aos 18 anos quando, estagiário de Física, conversei com o estagiário de Língua Portuguesa que carregava um livro envolto sempre num plástico. Me emprestou. Três dias depois me pediu de volta. Já tinha lido, relido e trelido, mas só devolvi quando o meu chegou da compra pela Internet. Desde então o li mais de 50 vezes. Bem mais.
Um dia o perdi, comprei outro, achei o anterior. O novo ficou no plástico durante anos – seguro na estante caso acontecesse algo com o primeiro. Piada entre amigos só saiu de minha vista quando o dei de presente para minha namorada (com nova piada de amigos), hoje minha esposa (e o livro voltou aqui para casa!).
O vigor, o destemor, a dramaticidade, a invenção e o engajamento crítico e político, a literatura/vida revolucionária, a sonoridade e, sobretudo, as imagens impressionam. Muito. Tudo em Maiakóvski é grandioso, é duradouro, é alento e incômodo. Poesia como forma de produção, dificílima, complexíssima, mas forma de produção.
A FLAUTA-VÉRTEBRA(prólogo)
A todas vocês,
que eu amei e que eu amo,
ícones guardados num coração-caverna,
como quem num banquete ergue a taça e celebra,
repleto de versos levanto meu crânio.
Penso, mais de uma vez:
seria melhor talvez
pôr-me o ponto final de um balaço.
Em todo caso
eu
hoje vou dar meu concerto de adeus.
Memória!
Convoca aos salões do cérebro
um renque inumerável de amadas.
Verte o riso de pupila em pupila,
veste a noite de núpcias passadas.
De corpo a corpo verta a alegria.
esta noite ficará na História.
Hoje executarei meus versos
na flauta de minhas próprias vértebras.
Num primeiro momento, a temática é evidente par atrair os jovens. Com o tempo, o fervor passa, a inocência passa e até a crença no futuro arrefece. A poesia de Brecht vai me parecendo mais ingênua, mas não a de Maiakóvski. O russo é capaz de tocar na flauta das próprias vértebras, bradar a plenos pulmões pela revolução e pela humanidade, cantar pela vida e se suicidar. Não fizessem mais nada além de traduzir parte da obra de Maiakóvski e Boris Schnaiderman e os irmãos Campos já teriam seus nomes na história dos amantes de literatura.
Comecei a escrever “a sério” por querer fazer parte do que Maiakóvski fazia: rimas eco, assonâncias e aliterações, pausas e ritmos, disposição dos versos e, principalmente, grandiosidade de imagens. A maioria pastiches sem futuro que se perderam entre rascunhos, mas ainda sei que quase sempre que começo um poema, é ele quem eu queria ser.
Cartaz de Alexandr Rodchenko
A PLENOS PULMÕES 
(Primeira Introdução ao Poema)
Caros
          camaradas
                      futuros!
Revolvendo
        a merda fóssil
                        de agora,
perscrutando
estes dias escuros,
talvez
              perguntareis
                            por mim. Ora,
[…]
A mim cabe falar
                de mim
                      de minha era.
Eu – incinerador,
                 eu – sanitarista,
a revolução
                    me convoca e me alista.
[…]
Triste honra,
                 se de tais rosas
minha estátua se erigisse:
na praça
           escarra a tuberculose;
putas e rufiões
                 numa ronda de sífilis.
Também a mim
          a propaganda
                        cansa,
é tão fácil
        alinhavar
                romanças, –
mas eu
          me dominava
                  entretanto
e pisava
            a garganta do meu canto.
[…]
Meu verso chegará,
                não como a seta
lírico-amável,
              que persegue a caça.
Nem como
          ao numismata
               a moeda gasta,
nem como a luz
                   das estrelas decrépitas.
Meu verso
          com labor
               rompe a mole dos anos,
e assoma
    a olho nu,
                 palpável,
                      bruto,
como a nossos dias
chega o aqueduto
levantado
                por escravos romanos.
No túmulo dos livros,
               versos como ossos,
se estas estrofes de aço
acaso descobrirdes,
vós as respeitareis,
                          como quem vê destroços
de um arsenal antigo,
                mas terrível.
[…]
Desdobro minhas páginas
          – tropas em parada,
e passo em revista
                          o front das palavras.
Estrofes estacam
             chumbo-severas,
prontas para o triunfo
          ou para a morte.
Poemas-canhões, rígida coorte,
apontando
               as maiúsculas
           abertas.
Ei-la,
    a cavalaria do sarcasmo,
minha arma favorita,
                      alerta para a luta.
Rimas em riste,
      sofreando o entusiasmo,
eriça
        suas lanças agudas.
E todo
      este exército aguerrido,
vinte anos de combates,
não batido,
eu vos dôo,
                proletários do planeta,
cada folha
            até a última letra.
[…]
Morre,
          meu verso,
                    como um soldado
anônimo
na lufada do assalto.
Cuspo
      sobre o bronze pesadíssimo,
cuspo
          sobre o mármore viscoso.
Partilhemos a glória, –
                    entre nós todos, –
o comum monumento:
o socialismo,
forjado
             na refrega
                            e no fogo.
[…]
Camarada vida,
            vamos,
                para diante,
galopemos
      pelo qüinqüênio afora.
Os versos
      para mim
              não deram rublos,
nem mobílias               
de madeiras caras.
Uma camisa
      lavada e clara,
                    e basta, –
                              para mim é tudo.
Ao Comitê Central
                  do futuro
                                   ofuscante,
sobre a malta
                  dos vates
velhacos e falsários,
apresento
em lugar
do registro partidário
todos
              os cem tomos

                    dos meus livros militantes.
Advertisements

4 thoughts on “Poemas – Vladimir Maiakóvski

  1. Quem gosta de poesia, precisa ler esse livro do Maiakovski; aliás, precisa ler Maiakovski. Aquela geração de 20/30 foi maravilhosa com grande nomes da poesia russa. Uma pena que praticamente todos morreram muito cedo muito por causa do regime comunista. Curioso que a outra grande geração de poetas russos também morreu cedo, lá no século XIX com Puchkin e Liermontov.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s